sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

jardim


não poder gritar,
assumir as flores
difícil regar este jardim
que só floresce para ganhar raios do sol
esquece de quem cuida,
de quem quer ser cuidado
pensaram em seus espinhos mais abaixo
só que eram tão altos quanto seus muros
vidraça aprisionaria,
mas daria uma transparência necessária
devorado por carnívoras
tentando entender em seus estômagos
todo o processo digestivo
e sair como adubo
para fecundá-lo
e recriá-lo...

3 comentários:

murilo disse...

no meio do vem-e-vai da vida, pego-me pensando no fim, passando em vão pelo início, deixando um meio etéreo...
os primeiros raios da manhã e os primeiros raios do sol da noite nos colocam sorrisos nas almas, brilhando nossos olhos no céu que pouco mais tarde serão as próprias estrelas brilhando no alto azul...
intensos instantes sozinho numa imensidão verde, ondulada por serras e montanhas, mergulhada num grande mar de aqüíferos límpidos e potáveis...
segundos distante do corpomente, da interamizade, da ilhamagia, da floramar...
uma etapa de teste da vida, aprofundando mundanças, boas e ruins, do que é o viver e o depois...
confuso...
mas tua lembrança de hojedia me carrega de energiavida para o (aquele) que me é necessário, fraterno...

salve salve fratte fratte
fratte fratte salve salve
ratu ratu mara mara
catu catu mara mara
mara mara catu catu
mara catu mara catu

a noite me tem ajudado
é na noite que percebo a presença do amanhã
do difícil amanhã
depois que o sol se põe,
é acreditando no próximo sol
que me conforto
...enquanto aguardo, sonhando, o próximo sol

Luciana Amâncio disse...

meio "licérgico" este também...
tu delira!
mas é massa!!!!!!

Luciana Amâncio disse...

E depois que virou médico, bau-bau...! Não escreve mais aqui!!! Saudades de tu!!! Gato Véio! Gato Véio!